Poeteiro

A poesia é uma luta injusta

De cinco elementos batendo em um

Repetidamente

Manuseando de um jeito tal

Que de tanto bater

o faz cuspir

prazeres

dizeres

pueris

desejos que deveras sente

 

É o momento em que o dedo

Desliza

Suavemente

As teclas próprias

Ou alheias

Estimula

Massageia

Fantasiando o que quer e não tem

O que tem e não possui

O que pode e não deve

 

Poesia são toques

Uivos

Gemidos

Suspiros

Onde…

Embora imagine um outro

Sou eu mesmo o principal objeto

De um desejo que simula ser desejado

Fingindo ser o outro para se ver

 

A poesia é sempre um “quase”

Que mesmo no clímax

Toca a alma

E os sentidos mais aguçados

Mais não conclui o que deseja de fato

E por vezes se contenta

Em imaginar o que podia ser

 

A poesia excita…

E se pegar de jeitinho

Faz até virar o zoinho

Manus-turbando a pureza fria de uma razão irracionalmente posta

Imposta

Composta

Hipócrita

 

A poesia é o pecado

Sagrado

Deixado

Pra aqueles que ousam fazer do corpo a morada de deus (e das deuzas)

 

É o culto dos ateus crentes dos últimos dias

O fogo que inflama

Enquanto alivia

Toda a tensão

Acumulada por desejos violentamente reprimidos

 

A poesia é

A poesia…

A po…

e…

é…

a

a- ah

ahhhhhhhhhhhhhhh!

POESIA

 

Por Deivison Nkosi – 2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *